Um Sítio...Joaquim Vairinhos

Um Sítio...Joaquim Vairinhos
Poesia e Prosa

sábado, 29 de setembro de 2012



não esperava nesta noite
tão sem graça
que me convidasses 
para tua casa
que mistérios 
insondáveis tem alma 
de mulher
que se esquiva
fecha

quando não se espera
desabrocha no instante
como flor na primavera

calcinha rendada
deslizante
por esse teu corpo
esbelto...elegante
num doce gesto
insinuante
nada nem ninguém
o fazia prever

prendeste toda a atenção
sufocaste
minha respiração
atrapalhaste minha mente
como era possível
esse momento
se te tinhas esquivado
toda a tarde
argumentando que
não tinha chegado
ainda o tempo

que belo momento
me proporcionaste
nesse desafio

e assim de partilha
em partilha
tornamos a noite fria
e distante
na nossa madrinha
de fervorosos amantes

emílio casanova, in "Só & Cia"

terça-feira, 25 de setembro de 2012


estou naqueles dias que me sinto
blackout 
colado na janela do quarto
escurecido
opaco
sonolento das coisas vivas

de sombra ocasional
quero fugir
libertar a luz aos gritos

que me quer iluminar
na vontade de me permitir
erguer

avanço em olhos infinitos
buscando as armas da diferença
que guardam as presenças
bem queridas
bailando nas cristas das cortinas
endurecidas

caminho
sem me mexer
as ondas andam por mim
minha mente navega
nas dobras traiçoeiras da ilusão
que me querem perder

do tempo sem tempo
nada tenho a esperar
ele conspira em movimento
mecânico
me engole me tritura
me despoja
do sentimento que ouso guardar...

simples
só quero amar

emílio casanova, in "Só & Cia"

...às vezes penso : para quê tanto 
sentimento...
para quê tanta sensualidade...
porque divago neste pensamento...
se esta é minha realidade

será que gostaria de ser frio
ausente ... distante
vivendo fora de mim
como se dois três quatro

me comandassem
direcionassem minha vontade

porque me atormento
se meus entes
os que me são queridos
não me acompanham
nesta minha única e só
individualidade : sentimental
sensível solitário

será que vivo aquela vida
vivida
e me divido na outra a pensada
qual será certa
qual será a verdadeira ou a errada

ou serei metade certo
metade errado
metade vivido metade idealizado

às vezes penso : para quê tanto
pensamento...
se tantos outros pensam por mim
sentem por mim...


emílio casanova, in "Só & Cia"





ilustração de exp.da "Maison de France"

segunda-feira, 24 de setembro de 2012


Morena de castanhos olhos,
corpo belo, esguio
cabelos sedosos em cascata,
pele de veludo orvalhado
pela aurora da madrugada.
Sonho-te descalça em verde

floresta, deslizando pela mata
como silvestre gazela
buscando no olhar sedutor,
seu desejado eterno amor.
Tens no corpo teu arco
elástico, macio em teus
seios, nobre em teu ventre
flexível em tuas coxas,
ardente em teu sexo,
como ninfa, sereia e afrodite.
Guerreira entre abraços
seduzirás belo Apolo
que te levará para o jardim
dos amores...no seu divinal,
colo.

...assim falava o profeta :

caminha teu desejo
devagar
saboreando a vida
suas curvas
depressa
em suas retas
olhando 

belezas da ética
na humanidade necessária

rega amizades
floresce nos amores
despreza
invejas vãs
caminhando na certeza
de teus valores
no teu mundo
novo
de amanhã

emilio casanova
ilustração ...site narrowcast


acordar o dia no suspiro
sem sol nascente
com aromas envolventes
de suores usados na noite
acordada

enrolados na corda do lençol
que nos une
inalando teu corpo natural
de perfume

delícia
sem horas
programas
ir e vir

maravilhosa manhã da noite
em fragrância gostosa de
corpos enraizados  nos membros
trémulos

união apetecida 
carne de nossas carnes
fluída
em líquidos de nossos espíritos

sem preguiça
no profano sentimento
celebramos pelo amor
nossa santa missa

emilio casanova, in "Só & Cia"




utopia ?

sentar na conversa
dum almoço
num sábado com chuva
sem alvoroço
naquelas mesas sem bicos

mãos de dedos apertados
no olhar aquele brilho

faminto doce
suave quanto baste
de momentos relaxantes

encontros intensos simples
de amantes seguros
confiantes
que conjugam verbo amar
em humanos prazeres
do travesseiro aos talheres
no vinho público
ao lençol íntimo de afagos

sem segredos
estes amores confortam
tempos inseguros
de paradigmas opacos

para eles um e um
são dois sempre
mesmo no depois

no menu capital
encontram tolerância
respeito carinho entrega
paixão
em doses de amor
na ampla comunhão

emilio casanova, in "Só & Cia"


quiseste

pensaste que alugando
tua alma
cedendo teu corpo
te fugia da mente
se ausentava de teu coração
a dor 

como aconteceu

ter-me perdido em teus braços
anos e anos a fio
com tudo o que era meu
sem te ter
quando saíste
naquela tórrida quarta
invernal
queimaste minha ilusão
atiraste-me
para a sórdida sensação
que estando só
encontraria na busca
de outros corpos
satisfação
para a ausência do teu

caminhei
pelos becos mais sombrios
das avenidas brilhantes
da tua cidade
percorrendo alcovas
de odores perfumados
buscando orgasmos
azedos
de uma ausência

sinto rugas nas
marcas
duma vida trágica
que vingança não consolou

resta-me
as suaves lembranças

emílio casanova, in "Só & Cia"

sábado, 22 de setembro de 2012



fiz de mágico

quis existir
com minha intuição
em outras 
inteligências

percorri
novas formas 
seres

que nos cercam
coabitando nosso quotidiano

vesti-me de andorinha
no seu belo e elegante terno
preto
abrilhantado com camisa
notavelmente branca
voei sobre cabeças
florestas
ruas e estradas
avenidas e parques

não resisti
vesti asas de mosca
poisada na folha da hera
do jardim

do curió quis sentir
o sol mi dó

aprendi seu valor
tantas inteligências
como a minha

percebi
como me afastei
dos dons naturais
que em criança
tanto amei

que vivas primavera

emílio casanova


ilustração Escher...sky-water

sexta-feira, 21 de setembro de 2012


....sou uma linha de pontos de luz...
...carrego em meus braços...
...a energia dos universos...
...meus olhos raios de brilho...
...minhas células estrelas de versos...
...minha boca ciclone de ventos pacíficos...

...meu peito vulcão de calor em sentimentos...
...tenho os pés nos cometas...
...com as mãos agarro a terra...
...circulo entre planetas...
...mirando nos mares meus espelho...
...alimento-me de verdes florestas...
...perfumo-me com flores silvestres...
...nasci das ninfas do tejo...
...vivo do nascer ao pôr do sol...
...num rio de janeiro, fevereiro e março...
...e todos os meses que mereço...
...viva a vida...no amor em espaço...
...a que pertenço...

leitos de água escorrem na capa 
de tua face
são bem negros de azeviche
molhados de prazeres
têm aromas eróticos
lembram danças tribais
levam-nos à profundeza
de sensualidade
daqueles que foram nossos

ancestrais
deslizam docemente
fechando teu olhar
que nos transportam
para teus sonhos sensuais

quarta-feira, 19 de setembro de 2012



a floresta granítica que cerca
abre alamedas pisadas por teus passos
em sinuosas curvaturas

nos troncos carcomidos por séculos
rasgam-se olhos lábios bocas
grotescas famintas de desprezo

tempo perdido 
dias de tempestade

sofridos em falsas promessas
de amores em liberdade

palavras sujas envenenam meu ar
marcam passo num lugar
que deixou de ser meu

será que a neblina que tudo cobre
me desenvolveu sentimento nobre
que nas tuas células se perdeu

busco arrependido na montanha alva
bela aurora
nos contornos de vales impuros que afasto
de minha mente contigo sempre presente
que enterro para ausente




emilio casanova, in "Só & Cia".


ilustração- foto de Dayse Sene

tenho vc no coração...amiga...e musa...
muitas vezes...em minha solidão...

sabe o poeta é um sonhador...fantasia...imagina...
dá vida na poesia...
ao que sente...e sente...
não é fingidor

por isso o poeta ama
tantas vezes 

sem a pessoa amada saber
vive com ela ...sem ela...
na sensibilidade do seu ser

tem uma alma grande...e
disponível...
adora-te...sem te ver...
sem te conhecer...sem te falar...

para quê conhecer...
se te pode amar eternamente
na dimensão de outro olhar...
de outro ser...de outro ter...

junto estas palavras sentidas ...
num poema de adeus presente
que a poesia tudo consente...

és minha sem saber...
guardo na poesia
meu bem te querer.

emilio casanova, in "Só & Cia"


Não sei. Existe algo que queres dizer.
Sinto não teres coragem,
sim... sei...
Dentro de nós - palavras, ideias,
sentimentos - confrontam-se em turbilhão,
muitas vezes nosso rosto,
nosso olhar abrem janelas
que o outro vê admirado - não são
as palavras que ele lê nos sinais 

mostrados.
Não tens vontade de amar? Cansaste?
Posso até acreditar ; busca em ti
na equação a mensagem da verdade,
coloca nos teus lábios : coração,
coragem, consideração...
Transmite em sintonia o grito
da tua alma com sinceridade :
- não te amo mais !

Perdi-me nos labirintos da fantasia
pensei que queria...afinal não queria!

emílio casanova, Só & Cia





NUNCA DEIXES DE SONHAR
... O SONHO COMANDA A VIDA...
SONHARÁS TODOS OS SONHOS
...MESMO OS QUE NÃO QUERES.

emílio casanova
Ilustração de Salvador Dali, "Butterflies"




 Jovem mulher "gazela"
 Transportas na pele
 Um suave doce odor
 Quisera eu sonhar  pura donzela
 Viver o grande amor.

 Jovem mulher "felina"
 Carregas em ti
 Nas formas do teu corpo
 Beleza...
 Duma sempre menina.

Jovem mulher "poeta"
Ensina-me a forma
A alma da letra
Lê para mim...
Versos de encantar
Embala-me nos teus sonhos.

Jovem mulher "sereia"
Ninfa da minha ambição
Diz-me...
Quem te penteia
Neptuno ou o dono
Do teu coração.

Jovem mulher "feiticeira"
Encanta-me...
Enfeitiça-me com mistérios 
De alquimia...
Prende-me nas teias
Da tua magia...
Afasta-me da solidão
Presenteia-me amor
Escreve-me poesia
Oferece-me paixão.

emilio casanova, in "Coisas do Coração"

terça-feira, 18 de setembro de 2012




Hoje ouvi as palavras novas, muitas
acabadas de estrear,
ecoavam de garganta em garganta,
umas roucas, outras diretas,
cruzaram jardins, avenidas, ruas e
praças como pririlampos no ar,
iam e vinham como setas
livres com a liberdade desesperada,
da esperança. Saímos à rua. Todos
estavam presentes. Foi festa de cidadania
sem alegria, mas com a palavra solta.
Conseguida. Amanhã seremos outros.

Joaquim Vairinhos

segunda-feira, 17 de setembro de 2012


Sexta-feira, 14 de Setembro de 2012

EMILIO CASANOVA, UM NOVO POETA DA LUSOFONIA NAS LIVRARIAS ESPANHOLAS.


EMILIO CASANOVA
 UM NOVO POETA DA LUSOFONIA NAS LIVRARIAS ESPANHOLAS
MUITO EM BREVE.

DO BRASIL PARA ESPANHA
DO RIO DE JANEIRO PARA BADAJOZ, MÉRIDA E CÁCERES

... e um dia para o Algarve que o viu nascer,
 para Loulé que o viu crescer
 com carnavais e praias e redes e peixe e invernos e verao e turistas e folguedos
 e politica e regionalizaçao e mais politica
 e justiças Aleixianas
 e mundo,
 muito mundo, sempre...



PEQUENA BIOGRAFIA DO POETA




Joaquim Vairinhos
 nasceu em Loulé/Algarve.

Licenciado em educação, pós graduado em gestão ambiental,

 foi
professor, 

coordenador pedagógico distrital, 
inspetor orientador do Ministério da educação.

Com uma atividade associativa intensa na cidade de Loulé e no Algarve,
foi fundador

 da Casa da Cultura de Loulé, 
do Clube de Ténis, 
do Rugby Clube

Foi atleta do Louletano, 
 Faro e Benfica 
 Sport Lisboa e Benfica
nas modalidades de
futebol, atletismo e rugby.


Desempenhou funções políticas

  Presidente da Câmara de Loulé, 
membro do 
Comité das Regiões da União Europeia
 e 
deputado ao Parlamento Europeu.

 Exerce atualmente as funções de consultor 

Atualmente reside em Vilamoura e no Rio de Janeiro.


Usa Emílio Casanova como pseudónimo

 em homenagem à sua família Casanova. 

LIVROS PUBLICADOS PELO POETA


Coisas do Coração
  Afrodites
 Amor Profano de Maria

NOVO LIVRO A SAIR EM BREVE:

Tantas Coisas Para Dizer

(Livro no Departamento de Leitura)

EDITORIAL DONA AMELIA





(Diálogo entre o poeta fingidor e sua musa leal )

Belo poema, por onde andas ?
A me enganar...?
Outras musas a procurar?
Excelente descrição do teu caráter,
como lamento ter visto tua alma semelhante à minha...
quem sabe tenha visto apenas o meu reflexo. 
Sabes poeta :
sou teu contrário, 
teu oposto
teu avesso,
a criança que me habita é fiel e,
sabe muito bem o que quer e onde chegar !

Ahahaahahah...
Como vais bela e segura linda musa,
digo-te sinceramente : não és o que pensas que és...

Sou!
tu que não me conheces...me julgas fácil
por ter me entregue tanto...
acreditado tanto...e, isso
só prova a minha fidelidade...

Com essas certezas arrogantes, mimha musa,
ainda vais ter um longo caminho a percorrer
nunca conseguirás perceber o que existe entre nós...

Já percebi o que existe entre nós
e não sou arrogante...poeta fingidor,
apenas estou acreditando naquilo que estou vendo...

Minha musa linda : talvez daqui a 30 anos
compreenderás,
mas levar-me-ás sempre contigo...porque sou teu poeta,
o preferido.

Sim louco, poeta fingidor.
Compreenderás muito antes disso,
embora tarde, já muito tarde.

Adeus bela musa
que o teu afastamento te conduza 

àquilo que queres ser...e,
que meu silêncio e afastamento sirvam para isso...

Da mesma forma que meu silêncio e afastamento te traga melhor entendimento...

embora tu já saibas o porquê de tudo isso.

Adeus musa,
é muito importante para mim os versos...
não faltes a essa promessa.

Não faltarei,
siga confiando em mim...
pena que não posso confiar mais em ti...
depois de tantas falsas promessas,
seu fingidor.

Sabes, jovem e esbelta musa...um velho agarra-se às memórias...
às lembranças e às saudades...
não vou dar-lhes a luz do dia...vou guardá-los.

Tu saberás como viver...velho louco,
já sabes...há muito já escolheste,
assim que prontos enviarei o meu amor de musa
não faltarei com a promessa que fiz,
não é do meu feitio
costumo saber o que quero e,
ser comprometida com as coisas e pessoas,
velho poeta fingidor.
Felicidades,
muitas, em todos os teus momentos...
creia, é meu desejo sincero
que encontres outras musas
tão dedicadas como eu.
Por mim vou mergulhar...
com as asas bem abertas e,
olhar fixo no infinito...encontrar um jovem poeta
não fingidor…não traidor.
Adeus...

Sou o maior infiel...sarraceno...
ahahahahaahaahah!!!

Agora irônico...
ironia não é digno de sábios...
meu velho.

Menti-te...não sou sábio...(gostaria de ser)...foi mais uma mentira...
para te enganar...abusar...usar...
mas fica sabendo que ironia é própria
de sabedoria.

Então, me enganaste...usaste, abusaste...que pena.

Segundo "tu", musa...eu sou isso tudo...e
talvez mais.

Não...segundo tuas próprias palavras e atitudes...

Ah! Por isso ...(segundo "tu")...mereço ser satanás...
vai...queima-me na fogueira...atira-me pedras...lincha-me...vai!!!

Tu estás te auto-flagelando, poeta
estás colocando palavras em minha boca...
estás a castigar-te...estás com raiva.

Vai...veste a "farda"...põe o cacete na mão...viseira na cabeça...e mata-me com bastão...

musa castigadora.

Pára...estás me machucando!

Sim...e tu...alma pura? Não?

Não. Sou impura, imperfeita,
apenas me entrego, amo..quero, desejo...
tu me deixou triste...sempre acaba me deixando triste!

Sabes musa linda…não tenho culpa da tua prisão...

Emílio Casanova





Adoro ser criança
inconstante
infiel
livre
como adoro ser e não ser
estar e não estar
ahahaha
ter e não ter
estar só e no meio da multidão
viajar e correr

e tudo querer saber
ter intuição e
fingir não a ter
como é bom não saber
o que se é
não saber o que se quer
como é bom viver
sem saber para onde se vai
sim amigo
sou tudo isso
e mais aquilo que não sei
ahahaha
sou fausto...sou mefisto
sou nu
e sou aquilo que visto
ahahahah
o inferno espera por mim
serei lá bem visto
o paraíso...quer-me
não sei se vá

amigo
sou tudo isto

sábado, 15 de setembro de 2012



Navego pétalas floridas
em asas de abelhas
adoço meu corpo
nas corolas coloridas
minhas volúpias crescem
no ritmo suave

dos balanços das flores...
busco mel
para acalmar minha raiva
dos desencontros
de amigos amores :
lamento minha amiga abelha
que tenha envenenado
teu trabalho...
que tenha passado
para ti ódio
que existia em mim :
deixa...fizemos uma troca
deste doçura
em carinho
dei força à tua força
encheste minha alma
... de beleza.

Emilio Casanova, in "Tanta coisa para dizer".
Ilustração com foto de Teresa Corbeta.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012






Olhando nuvens escuras no horizonte
num céu carregado,
transporto dúvidas
incertezas
que me deixam perturbado,
penso : como foi possível quereres
que um amor tão ardente,
apaixonado,
se tornasse assim num instante,
numa amizade.
Conheço amizades que evoluem
para grandes amores : amores,
para amizades ? Estranho . Esses
nunca foram amores. 
Amor profundo quando rompe
quebra nosso mundo,
altera nossa mente, 
mexe lá, bem no fundo
com a gente. Veste-se de raiva. Alimenta-se
de ódio. 

Como ser amigo de quem amei
profundamente ?

Emílio Casanova, in "Tanta coisa para dizer"