Um Sítio...Joaquim Vairinhos

Um Sítio...Joaquim Vairinhos
Poesia e Prosa

quarta-feira, 31 de outubro de 2012







Que prazer
quando me dizes
há quanto tempo,
respondo-te
és como a lua
bela...distante

intangível
apareces...desapareces.
Fico a pensar
se devo...
se devo...
com meu dedo
te tocar !!!

emílio casanova
Foto de quadro...Heart of Gustav Klimt Painting - Robert Quijad
a.


queres vir estar comigo ?

acaso gostarias
tomar um banho comigo
juntar nossos corpos
numa manhã de domingo


quem sabe
se não permitirias
aos nossos corpos
essa breve felicidade

que outros pensariam
não nos interessaria
na realidade

se tantos mimos
guardados
os deixássemos
em liberdade
que bom que seria

quantas vezes
não encontramos
a oportunidade
de nos darmos
ao outro

e, tantas vezes
com vontade

toma essa coragem
telefona escreve
fala comigo
e diz-me :
queres vir estar comigo
no próximo domingo

emilio casanova




terça-feira, 30 de outubro de 2012



acaso te lembras
que adorava tomar banho contigo
sentir teu corpo em brasa
obrigando ao duche de água gelada

acaso te lembras

da impaciência de tuas mãos
rodopiando em torvelinho
no desassossego de meu corpo masculino

acaso te lembras
da gulodice de teus lábios
quando me olhavas doce
lentamente de baixo para cima
contra a corrente

acaso te lembras
da força do suor que rompia
por entre as gotas da cascata
de ternura

acaso te lembras
as viagens de minha língua
de baixo para cima
na procura da saliva
que desaguava num escorrer
morno de amantes em glória

acaso te recordas

eilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração: Max Ernst

segunda-feira, 29 de outubro de 2012



Provoca-me :
preciso de escrever
quero suspender o pensamento
sair do rio a tempo 
para não submergir
ter um olhar sobre mim


sobre eu próprio

na gravidez da inspiração
na antevisão do invisível
no amadurecer da intuição
no movimento da criação

meus versos em poemas
precisam da poesia
que há em ti

da visão da memória
naquele breve tempo de vida
que guardo

vivo nela meus momentos

vem musa
provoca-me:
acende cinzas quase mortas

dá poesia à minha vida.

emilio casanova, in " No jardim dos deuses"
ilustração : google ( foto de Luciena Maierly )

domingo, 28 de outubro de 2012




tenho no céu da boca
os milhões de palavras
que não ousei dizer

elas enrolam em ondas

submergindo pensamentos
vãos etéreos brilhantes

navegantes desse rio do tempo

que nos consome
serão sempre segredos
guardados no veludo da boca
na seda de meus dentes

serão livres 

se o engenho e arte
do poeta
as transformarem
em úteis e boas
sementes

emilio casanova, in "Tanta coisa para dizer"

ilustração:foto de joaquim

sábado, 27 de outubro de 2012



As novas receitas...

Colocas uma carcaça, vulgo paposseco 
a endurecer, sabes daquelas que estás
farto do dia, guardas
no dia seguinte se não estiver bem dura
espera, 
fome, fome, só tem 
quem não tem nada para comer,
por isso espera que fique dura...

ficando bem dura, afia a faca e,
corta a carcaça, vulgo paposseco
em tiras bem fininhas, aqui falha se
a carcaça, vulgo paposseco, não for
de boa farinha...
depois de cortadas as tiras
são colocadas num prato que pode
ser de papel
daquele azeite vulgar, não, não precisa
ser esporão, esse é virgem extra
do patrão, não, não precisas,
basta daquele bem verde, verdinho que
dá um toque bem gostinho...
acompanhas com um ovo bem branco
daqueles alvo como as neves,
porque mais puro,
bem cozido
por causa das salmonelas nas tuas fezes,
ah! última recomendação se a carcaça, vulgo
paposseco, te parecer gaspar...corta bem
fininho...espero que tenhas uma boa digestão...
se não tiveres...vomita o cabrão do paposseco,
vulgo carcaça.
E sê feliz, meu irmão...

joaquim vairinhos

Joaquin Sabina y CIA - Nos sobran los motivos 2001 (Completo)

Pablo Neruda - Te Amo

Charles Aznavour - La Bohème (HD)

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

...NÃO ESTOU AQUI
...NÃO ESTOU ALI
...NÃO SEI ONDE ESTOU

...PORQUE
...SOU ALI
...SOU AQUI
...SOU ONDE ESTOU

...SOU O QUE SOU

...SOU DO TAMANHO
...QUE VEJO

...NÃO DO TAMANHO
...QUE SOU

emílio casanova, in "Só & Cia"
ilustração : Escher


não sei
estou inquieto
não consigo explicar
porquê
atormento-me
sinto-me frágil

e fico quieto

foi como um cristal
que quebrou
e que resultou
dum pequeno gesto
dumas palavras talvez

sei que me afastou
quando senti que não tinhas confiança em mim

agora
tudo mudou
já nada é igual
meu pensamento voa
e não encontra esse sentimento lindo que nos uniu
nos encontrou

será o amor tão sensível que quebra
assim

para onde vou não sei
sei sinto intuiu
que tudo acabou
sem bem saber porquê
mas já não te vejo
como te via antes de sentir
quebrar a sintonia
que existia
entre nós

interrogo-me agora
será que te amei alguma vez
terás sido porventura
a andorinha que não fez
a primavera do nosso
encantamento

que estranho sentimento
este do amor
que mais do que tudo
tem que ser tratado
como uma flor

respeitado
responsabilizado
partilhado na confiança
na transparência
para que se perpetue
e não termine em dor

será utopia
sonharmos com o amor
feito de magia

será que existe
ou simplesmente
persiste
em nosso querer
de humana fatalidade
a felicidade de o querer
ter

emilio casanova, in "Só & Cia"

HAROLD MELVIN & THE BLUE NOTES IF YOU DON'T KNOW ME & THE LOVE I LOST

Surrender To Me (tradução)Lara Fabian ft Richard Marx By Schreck37

segunda-feira, 22 de outubro de 2012


era um jardim
era uma árvore
era uma flor
era tudo
era nada
era eu

homem
olhando para o céu
na noite estrelada
tão pequenino
que me via nada
na imensidão cósmica

emilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração : Foto google

domingo, 21 de outubro de 2012



Hoje, porque não escrever
um poema com ternuras de poesia
para quem sempre sonhou
nos vales profundos
de sua alma,
naqueles instantes

de solidão sentimental,
ser um dia amada
por um doce poeta:

poeta daqueles com coração
de pétalas,
que seduzem os olhos das estrelas
roubando seu brilho,

poeta daqueles que se miram
remiram no espelho do quarto
da alva lua crescente
e, se banham nos lagos doces
do mar
em noites quentes de lua cheia,
na espera do amor
que há-de chegar.

emilio casanova, in "Só & Cia"


ilustração : foto de Joaquim

sexta-feira, 19 de outubro de 2012


se o amor me toca quando amado
não fico pensando em passado
ainda quente

vivo com entusiasmo o amor 
que se pressente presente


amor...amor...

espero que o amor acenda
fogo no teu olhar
calor nos braços quentes

quero que sejas planície
devastada
em que serei vento
nesta madrugada

quero reacender teu corpo
se cinzas brilhando
ainda houver

então seremos
luz e fogo
calor sonho e alegria

na noite que será dia
amor

emilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração: foto de joaquim

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Paolo Conte & Corto Maltese - It's wonderful.wmv

Athene's Theory of Everything

EcologicalMind: "Somebody loves me" benny goodman (by Anna Lupa)

Paolo Conte - Via Con Me (It's Wonderful) lyrics



sabes ?...
estás no meu sangue...
quando me ausento...
fujo de ti...
fujo de mim...

não me encontro...

sabes ?...
estás na minha pele...
quando transpiro...
cheiro a ti...
cheiro a mim...

saudades de ti...

emilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração: Sedução & Arte"


nos dias voamos
passageiros
mais ou menos clandestinos

certos dum rumo

errados
porque os rumos na vida
são incertos

caoticos
incorretos

como somos ingénuos
na esperança do certo

vivamos
na certeza
de que só o amor
vive
no caos
dos nossos dias

emilio casanova, in "Só &
Cia"
ilustração: Sedução &Art

sábado, 13 de outubro de 2012



(PARA TODAS AS CRIANÇAS/E OS QUE JÁ FORAM)

Avião de lata

Brinquedo de lata digno de pequeno príncipe
avião colorido de meninice

asas largas cinzentas de prata
riscas largas amarelas e verde
da cor da mata.

Sentado nele piloto garboso
capacete castanho óculos redondos
bigode fino sorriso vaidoso
piloto garboso.

Ele volta e rodopia
com seu trem de rodas grossas
na cauda esbelta a cruz vermelha pintada
na ponta das asas bolas encruzadas.

Trumtremtrumtrimtrum
roda a chave da manivela da corda
zumrzumzumrzumrrrzum
descola meu sonhado monomotor
rodando as hélices mágicas.

Ensaia saltos sobre voltas
que voltas...meu pai !
como desesperei para o ter
quantas saudades tenho para o ver...
e de ti meu pai.

emilio casanova, in "Coisas do Coração"
ilustração : foto de Joaquim


homenagem aos artistas

a cultura da cidadania
é fundamental
em democracia

ser cidadão pleno
praticando seu dever
exigindo seus direitos
é um ato cultural
que realiza o ser

no tempo de opressão
liberal
a praxis cultural
representa a força
de símbolos
da liberdade

que os artistas
assumam
sua condição
de ser livre
de discordar

para ser livre
é preciso dizer não
é preciso negar
em prol
da preservação
da sua própria 
humanidade

joaquim vairinhos, in "Tanta coisa para dizer"
ilustração:foto de joaquim.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012


separados por ventos contrários
remamos sem direção

dizem pescadores antigos:
quem vai ao mar avia-se na terra

separados em mundos imaginários
voamos de bússola na mão
convencidos que bastavam ponteiros
de orientação


separados por caminhos paralelos
tentamos dar a mão
esquecendo como são cruéis
muitas vezes

os labirintos do coração

separados por acasos
silêncios
desentendimentos
não superamos a incomunicação

guardamos em orgulhos
vã consolação

separados por comum
entendimento
acordo na desunião

vogamos vazios
sem apelo
sem perdão

e
muito menos
compaixão

emilio casanova, in "Só & Cia"

quarta-feira, 10 de outubro de 2012




assusta-me:
poesia mórbida 
veículo descarrilado
nas profundezas 
dum penhasco
desastre de avião
bébé afogado
agressão
a criança
mulher...homem
animais...plantas

assusta-me:
crimes
sem espécie
armas...balas
assaltos
ao corpo nos seus
órgãos

assusta-me:
violência de palavras
usadas
nos textos
nas crónicas
nas novelas
nas ruas e praças
dos nossos dias

evito os ditos
que se acham 
poetas malditos

salvemos a palavra
lutemos
pela harmonia
equilíbrio
bom gosto
revigoremos a alma

foi o verbo
que nos trouxe

emilio casanova, in "No Jantar dos Deuses"
ilustração:foto google

sábado, 6 de outubro de 2012


toda a nudez será perdoada
na constância da natureza
no princípio foi o verbo
a palavra
vestida de encantos
adornos 

sorrisos e longos
doces e ternos olhares
na completa nudez calcada

quando se fez luz
brilhou tua pele nas manhãs
douradas de sóis madrugadores
qual roupa qual nada
a natureza no seu esplendor
há no universo maior beleza
que o corpo de uma mulher
no seu estado de nudez
amorosa
do seu amado desejosa ?

não : toda a nudez será perdoada

emilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração de HA

sexta-feira, 5 de outubro de 2012


Inquietação...inquietação
neste manto de prata banhado
pelo ouro do sol nascente
em algodão dourado de nenhum lugar
ainda em silêncio prateado
lentamente recordo num hábito estranho:

eras minha...antiga e bela
te rememoro como os pomares sem fim de
Andaluzia;
tua memória vive...teus abraços também
como se ainda existisses em mim
nesta brisa de prata dourada estremeço,
me inquieto porque não te tive
ao menos deixa-me a memória
para dançar nas formosas dunas,
sentir nas lembranças vãs
esta inquietação sabendo que este amor
não tem manhãs.

emílio casanova, in "Só & Cia"


ilustração de joaquim


na pedra amassei a esperança
num gesto de ternura

sem resposta fiquei
mas a esperança de pedra
sempre na batida


renasce
cria musgo e flor
mesmo na descrença

que viva na vida
a esperança

emílio casanova, in "No Jardim dos Deuses"
ilustração de joaquim

quarta-feira, 3 de outubro de 2012



Era aquele, não porque fosse
melhor. Era igual a todos.
O tempo dissolve-se no desejo
acumulado na impaciência,
terão sido meses ou uma vida.
Que interessa. Estava decidida.
Nem quarto nem hotel tinham

importância, podiam cheirar bem
cheirar mal. Era a hora da sesta
num sábado qualquer.
Ela não dominava a inconstância
mas tinha-se preparado para o
desafio de romper aquela barreira
que não era psicológica. Era pôr à
prova sua vida futura como mulher.
Respirou fundo e saltou.
Hoje terça na hora da sesta recordou,
suspirou o ar novo da mulher que foi,
sorriu e cantou na felicidade de ser
a outra.

emilio casanova, in "Só & Cia".
ilustração de Paul Roberts-oil painter


agora que a noite vai alta,
preparado para adormecer
reinvento aquelas histórias
que me ajudaram a crescer
passam cavaleiros majestosos
damas de beleza nobre

muitos ricos demasiado pobres
cenas de cinema artistas de teatro
professores amigos e colegas
amores antigos e novos amores
heróis de quadradinhos
brinquedos de todas as cores
misturam-se com o sono chegando
na diluição mágica do sonho
desfilam segredos em peles claras
beijos mornos tropicais
surgem todos que me amaram
escondem-se furtivos aqueles
que na inveja me odiaram
aguardo ansioso tua passagem
no limiar daquela linha que vai
do sono ao sonho, tu não vens
o que nos aconteceu que nos
perdemos neste começo de madrugada

emilio casanova, in "Só & Cia"
ilustração de Daniel dell'Orfano

segunda-feira, 1 de outubro de 2012


como quero que você me encante
na longa maratona dos dias
como preciso de seu encantamento
não de flores para minha caminhada
mas de sorrisos pertinho de meus olhos
compreensão bem construída nas palavras
com amizade nas tardes calmas

como quero que você me perfume

naquele sol que se esconde ao fim do dia
para recebermos nossa convidada
aquela que faz de madrinha quando você me beija
lembra quando ela entra em nós por aquele espelho
que estende seu manto brilhante em cima de nossos olhares

como quero que você me tente
adoro que você o faça me faz importante em nosso universo
sim com aquela partilha de entrega em colaboração
anda me encantar na verdade de tua alma tua mente
vem mostrar como te encanto com meu sentimento

como quero que você me guarde
em lugar que nunca me perca na imensidão do cosmos
naquele cantinho do seu ser que os poetas adoram
ao lado da criança que você amorosamente alimenta
que quero conhecer na dimensão do tempo eterno
que temos para viver

emilio casanova, in "No Jardim dos Deuses"
ilustração de Egon Schiele - O Abraço