Um Sítio...Joaquim Vairinhos

Um Sítio...Joaquim Vairinhos
Poesia e Prosa

segunda-feira, 22 de março de 2010

Ikea vs. Auchan:só há lugar para mais um - Observatório do Algarve

Ikea vs. Auchan:só há lugar para mais um - Observatório do Algarve

5 comentários:

  1. Gostariamos de saber a opinião do Professor Vairihos sobre o abate bárbaro das árvores da Praça da República. Alguns dizem que esta obra vem do seu mandato. Há dez anos. Hà alguma ponta de verdade nesta dolorosa situação ou é mais um embuste do partido que governa Loulé há anos a mais ? Dois Louletanos

    ResponderExcluir
  2. Loulé foi bombardeada na Praça da República. É ver para crer. Há muitas vozes caladas num tempo em que se deveriam levantar. Espero que o Sítio diga de sua justiça. É urgente.Viva o DIa da Árvore mas não comemorado bárbaramente como em Loulé. GiGi

    ResponderExcluir
  3. Será que o podre ainda vem do seu tempo?????

    ResponderExcluir
  4. O Professor Vairinhos já saíu há dez anos da Câmara Municipal e dou-lhe os meus parabéns por nunca nos seus mandatos se ter feito terrorismo
    ambiental como agora. O Povo não escolheu. Enganou-se mas têm agora o que quiseram. Marie -
    Louletana com muito amor pelas árvores

    ResponderExcluir
  5. Não conheço um executivo autárquico que tenha "perseguido" e "abatido" tantas árvores como este de Seruca Emídio.
    O exemplo das boas políticas autárquicas são guiões formativos e informativos para a população em geral e especialmente para as camadas jovens. Fazer coincidir o "crime" do abate com o começo da Primavera e a comemoração do Dia da Árvore é de um mau gosto atroz!
    Planeámos no início dos meus mandatos uma intervenção na Praça de República com alargamento dos espaços pedonais,mantendo as árvores, com sentido único do trânsito e Parques de Estacionamento envolvendo o zona tradicional.
    Estudámos a hipótese do estacionamento subterrâneo no Mercado, mas não havia dinheiro para o fazer; tentámos um outro parque em cave com elevador junto aos táxis, mas não havia dinheiro; fizemos o pequeno parque junto ao antigo matadouro (onde seria instalado um pólo museológico) e pensámos num outro parque frente ao veterinário municipal com o aproveitamento do declive do terreno e com cerca de 6 pisos, mas não havia dinheiro;
    tentámos negociar o terreno na Av. Duarte Pacheco, junto ao café Delfim, mas não conseguimos e não havia dinheiro.
    Por fim, a Circular de Loulé projectada e iniciada nesse tempo foi consequência,também, desse projecto da Praça da República.

    ResponderExcluir